Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

No ghetto dourado da BD

Depois de inserir cafeína no sistema ao som de dois dedos de fofoca, de breves afazeres caseiros, de ler a Revista Nova Gente, de blogar, de faceboquear, de planear saídas para dias mais aprazíveis, nesta alagadiça tarde de feriado e com a ajuda de Rui Zink, prestei-me a levantar a ponta do véu sobre as mais valências da Banda Desenhada.

No seu estilo que muito prezo, ou seja, de botão "descomplicómetro" ligado no máximo onde o sentimento de segurança "de tudo arrumadinho" pode dar lugar a uma valente "belinha" no nosso cérebro, obrigando-nos a questionar o que foi apresentado, Rui Zink em "Literatura Gráfica? - Banda Desenhada Portuguesa Contemporânea" oferece-nos muitas luzes para o caminho labiríntico que é o "pensar a BD".

 

 

 

# pranchas em exposição na BD Amadora, 2010.

 

 

Algumas ideias retidas, boas para digestão.

- "O lugar em que a BD se encontra, com os seus festivais, com o seu marketing, com o seu circuito comercial, o seu merchandising, as suas livrarias especializadas, parece-nos muitas vezes mais um ghetto, embora dourado (cf. Peeters, 1993: 69-70), do que um espaço livre e de abertura, propício ao desenvolvimento da linguagem", p. 70 - sobre a questão da BD poder ser considerada uma variante da literatura.

- "Se há textos com um elevado grau de convencionalidade que se inserem a chamada cultura de massas, outros há que sistematicamente exigem ao leitor que repense as convenções adquiridas, a fim de conseguir - através da sua imaginação projectiva (Iser, 1989) - criar um sentido para a sua leitura. São estes textos - não objectos de cultura de massas, mas objectos estéticos - que nos interessam.", p. 49

- (...) "A BD tinha valor enquanto objecto de estudo na medida em que era um elemento da comunicação de massa, e não tinha nem mais nem menos interesse que qualquer outro elemento: cartaz publicitário, um programa televisivo, etc.", p.50

- (...) "se todo o objecto estético é de algum modo comunicação, e contém mensagem, a comunicação de uma mensagem não é a prioridade de um objecto estético." p. 52

- "Num texto de BD, como em qualquer livro, o leitor é soberano não só no modo como lê mas do tempo que dedica à leitura.", p. 56 -  questão levantada quanto à diferença entre filme e BD.

- "A elipse é a própria essência da BD, e a característica fundamental do modo de leitura que esta promove (...)", p. 57

- "O importante é a relação de continuidade estabelecida entre duas ou mais vinhetas. Essa ligação é sugerida no texto mas necessita da colaboração activa do leitor para ser concretizada." (...) "Essa ausência, esse espaço vazio à espera de ser preenchido pelo leitor é a elipse.", p.27

- "Não se lê pintura, vê-se pintura. Ler um quadro é uma actividade de segundo grau, posterior ao contacto sensorial. Na BD, ler e ver são actividades inseparáveis. Lê-se a imagem de um modo diferente das artes visais. A imagem obedece aqui a regras narrativas, a um modelo de leitura verbal, e a não regras de estética puramente visual.", p.58


in ZINK, Rui, "Literatura Gráfica? - Banda Desenhada Portuguesa Contemporânea", Oeiras, Celta Editora, 1999

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.