Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

IV Grande Desfile da Máscara Ibérica

Dia 16 de Maio, a Baixa Pombalina foi invadida pelas Terras Altas: Transmontanas e Galegas.
Não querendo perder nada, coloquei-me corajosamente na linha da frente para lhes fazer frente.

Na altura pareceu-me boa ideia.

 

Invadindo completamente o nosso espaço privado, damos por nós a sermos empurrados, achocalhados, a levar com bexigas cheias de ar na tola, a sermos perseguidos por caveiras de vacas, a fintar seres grotescos que nos pedem uma festa ou grunhem para nós.
E com tanto abuso, nem nos importamos. Nem eles se importam quando lhes agarramos as máscaras para sentir a textura. Não resisti, sou pior que os espanhóis.
Fazemos parte desta caótica Festa.

 

Os grupos misturavam-se quando faziam investidas (como os de Verín vs Aliste), espalhando o caos e gargalhadas, para depois rapidamente se separarem e continuarem mais ou menos ordenados nesta "procissão".

 

 

Neste desfile vi, em versão espanhola, os "famosos" e geniais Homens-Verde (personagens fantásticas cobertas de vegetação - representadas em "N" salvas de prata que podem ser vistas no MNAA), os homens-besta, demónios de máscaras cobertas de suaves peles de carneiro ou de cabra, caçadores com velhos chapéus de raposa ou máscaras de lobos, homens altíssimos cobertos de peles e de rosto escondido sob uma grotesca máscara ou vestidos com preciosos rendilhados e pesados chocalhos.
Nós Portugueses, estávamos representados pelos coloridos e travessos caretos.

 

Foi engraçado comprovar como nós somos sempre os mais rústicos: a diferença de trajes era abismal.

 

 

 

 

Ao contrário do que esperava e tendo em conta que quem estaria por perto já saberia o que lhe esperaria, quem desfilou naqueles estranhos fatos não insistiu junto de quem (já) não queria ser levado para o maralhal: procurava um outro alvo.

 

Apesar da diversão, era um desfile assustador para a maioria das crianças e estas tentavam demover os pais a não aproximarem-se.
Os sonoros chocalhos e o pesado som dos tambores, não ajudavam.


Alguma informação sobre os grupo participantes (edição de 2007), AQUI.
Site da organização do Desfile 2009, AQUI