Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

O místico como mito e o seu efeito Spa

Visitar o Convento dos Capuchos em Sintra é um prazer.
Nos roteiros turísticos, panfletos ou em conversas, o seu lado "místico" acaba sempre por ser enaltecido.

Está a tornar-se numa "Verdade Absoluta".

Mas será mesmo?

 


É um local extremamente belo e calmo (quando visitado fora da altura da maralha).
No entanto, por muito que o visite, se não me dou conta do dito "sentimento místico" de que tanta gente fala e que nos reporta ao tempo do Romantismo, é no Inverno que tal terá menos probabilidade de acontecer:

- O convento enquanto infraestrutura, encontra-se muito degradado e praticamente privado dos seus ornamentais pratos que revestiam os altares, fontes e as pequenas salas de fresco.
- Textos e textos de "eu estive aqui" e piores baboseiras, pautam pelo interior;
- Quando percorro os acanhados corredores, de minúscula cela em cela e com algumas cabeçadas pelo meio, facilmente desoriento-me (talvez devido às cabeçadas...).
- O frio no seu interior é insuportável (mesmo no Verão): mesmo com temperaturas "normais", e gostando eu do frio, parece-me exagerado chegar ao ponto da congelação com um alarmante "fumo" a sair pelo nariz (subentende-se: condensação).
- Uma humidade poeirenta e pegajosa cola-se ao cobertor (perdão, casaco), mãos, cabelos...

 


Afinal, que tem de belo o convento?
Tudo o que o contextualiza:
- A cor: os verdes que invadem do exterior;
- O som: é fabuloso sentar-mo-nos nas pequeninas escadinhas e olhar os corredores escuros enquanto ouvimos a água, um elemento sempre presente ao longo dos variados percursos; ou espreitarmos pelas minúsculas janelas, um exterior pejado de musgo ao som da melodiosa passarada;
- A flora: os fetos que se encavalitam pelas árvores de troncos sinuosos, as flores silvestres, as folhas que cobrem o chão de musgo e que fazem o tão típico "crash-crash" sob o nosso peso.

Isolado de tudo e todos, compreendo o porquê de religiosos, artistas e outras personalidades terem utilizado este recanto como refúgio: quem entra, deixa todos os problemas à porta.
Por 5 euros, temos direito a um "efeito de Spa" de cerca de uma hora...

... mas sem a parte das massagens.
 

Link do vídeo.