Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

Mandler e Lachapelle ao serviço da Pop americana

Rihanna é uma artista que, numa situação normal, me passaria completamente ao lado, que mais não fosse por uma questão "fisiológica": a sua voz de cana rachada arranha e magoa-me os ouvidos.

Contudo apresenta dois singles que captam a minha total atenção, tanto pela sua singularidade como pela bonita fotografia.
 

Ei-los: Disturbia e Rehab (com o mui sexy e mui cobarde JT: ou ele pensa que me esqueci da sua posição aquando da mamoca ao léu de Janet Jackson, situação em que ele muito contribuiu? humn? parvo.)

São vídeos tão díspares como da noite para o dia.
Intrigada, numa rápida pesquisa, não foi difícil perceber o porquê.

 

 

Numa faceta romântica, onde Rihanna recorda-me as Pin-Up girls, Rehab teve a assinatura de Anthony Mandler (poucos devem ser os músicos que não foram fotografados por eles: desde o pop europeu ao rap americano - mas também personalidades de outras áreas).

 

Numa visão tenebrosa, do nosso subconsciente mais escuro, Disturbia saiu da mente de David Lachapelle (sim, o mesmo DL que está na colecção Berardo!!)

 

 

Isto é um bom exemplo em como algo menos bom, pode ser valorizado com um bom e bonito embrulho.

Gaja esperta, esta Rihanna! (^^,)

Tokaido e as suas 53 Estações

 

Na Gulbenkien, estão em destaque um conjunto de desenhos que compõem as 53 Estações de Tokaido.
Este conjunto de obras foi divida em grupos de 10 (+-), e vão rodando todos os meses.

 

O local escolhido para as apresentar é péssimo: uma zona de passagem entre exposições permanentes... "say what?!?"
 

Ah pois é.

A iluminação é deficiente: as cores vibrantes tão características, quase passam despercebidas - talvez tenha mesmo de ser assim, dado o suporte ser frágil, mas uma solução viável e benéfica ao observador devia ter sido considerada.
 

É uma zona de passagem, com uma janela por trás. A iluminação amarelada é ténue. Podia ter havido o cuidado de, pelo menos, terem escolhido um vidro anti-reflexo.

 

Ainda que com todos estes constrangimentos, é uma delicia poder observar estas folhas  de formato semi-A4, cheias de belos e cuidados detalhes.

Todos os meses, uma visita é obrigatória àqueles 2 metros quadrados (ok, não será assim tão minusculo...)

 

Estas obras estão disponíveis online AQUI, num site muito catita.


Info adicional:
- Gulbenkien (Lisboa) - zona da exposição permanente.
- entrada grátis ao Domingo
- existe porta de acesso directo ao "dito" corredor.

Pág. 2/2