Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

A Entomologia dos preguiçosos

 

Que têm estes 4 livros de denominador comum?
Inverosimilidade e insectos.
Muitos, muitos insectos.

Excepção ao Escaravelho da Morte onde o protagonista é, felizmente, devorado (em 2 brevíssimas linhas ao contrário de outras situações similares onde a sordidez da cena prevalece), trazendo uma lufada de ar fresco ao género, nos restantes livros, o mote gira em torno de uma rapariga, loira, muito gira, que é salva pelo rapaz, espadaúdo, intrépido e muito giro.

Aqui, gente feia não entra, a não ser para servir de banquete ou representar o vilão. Tudo em torno destas duas figuras é incaracterístico.

Mais informo, que as protagonistas femininas somente ascendem à qualidade de órfãs (coitadinhas) durante o livro, derivado ao repasto efectuado pelas criaturas de 6 patas. Não há lugar para drama familiar nem crise existencial.
Não há tempo: os insectos vêm aí!

 


1) Acautele-se! Existe sempre um cientista louco.

GLUT, Donald F., "A Maldição dos Escaravelhos", Lisboa, Portugal Press, 1979.


Passado nos pântanos de Nova Orleães, um cientista louco usa a ciência para controlar os insectos!
Mete medo? Talvez não. Mas a cena onde o Coronel é agredido (e salvo) pela esposa que sempre fora subjugada por ele, é no mínimo, caricata.
Mais anotações, AQUI.



2) Nas mágicas brumas da Escócia, ouvem-se vozes. Mas só para alguns.
CARTER, Dean Vincent, "A Mão do Diabo", Alfragide, Edições Asa, 2009.


A imortalidade personalizada por um mosquito gigante e laganhento, vingativo e com outros dotes (não inumero para não ser spoiler), que atravessou o mundo. Porquê?
Cabe a si descobrir nesta alucinante e estrambólica história... de amor!

Não se apoquente se der por si a questionar a razão da libelinha e do modo como a colaram à marretada na história.
Faz tudo parte da magia das lendas milenares.

 


3) A energia nuclear nada traz de bom para a saúde das formigas.
TREMAYNE, Peter, "As Formigas Vêm Aí!", Mem Martins, Europa-América, 1979.


Quando escutei pelo telefone o título deste exemplar, logo dei pulinhos de alegria.
Ah! Brasil! O lugar das formigas guerreiras.
Ler este livro é rever o episódio onde Macgyver lutou contra formigas sanguinárias e salvou uma plantação, espante-se só, no Brasil!


Elas são espertas, rápidas e comem tudo, só deixando os ossos a luzir no escuro.
Porquê comerem sola, tecido, couro, mas não ossos? A isso, o autor somente responde: cálcio.

Não questione demasiado a sua (a das formigas) inteligência para resolução de quebra-cabeças, nem tão pouco porque deixaram escapar os humanos naquela situação quando exactamente na anterior, tal não acontecera.
Se o autor diz que sim, é porque o é!

 


4) Darwin tinha razão!
LEWIS, Richard, "O Escaravelho da Morte", Mem Martins, Europa-América, 1979.

 

Adaptação para a sobrevivência dos mais fortes e as questões ambientais, estão na ordem do dia.
Um livro muito ecológico, anunciando o apocalipse, só mesmo faltando o assunto do aquecimento global.
Entre Inglaterra e Estados Unidos, é explorada até à exaustão a problemática do impacto do homem na Natureza, nomeadamente com a utilização de pesticidas e de vírus.

 

***


São apenas quatro dos exemplos de literatura para entreter.
Dentro do mesmo tema, de fio condutor igual, pejados de clichés, mas que ainda assim, conseguem trazer alguma variação na causa-efeito.

Talvez seja um dos factores que os separa dos hamburguers.

A escolha não foi inocente - ainda que não abarque todo o período.
É interessante observar a diferença da década 60 até hoje: as respostas na ciência e do nuclear, dão lugar ao fantástico, à busca no não palpável.

Qualquer dia, apresento uns "bombons" em suporte cinéfilo.