Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

New Age

Tropecei num livrito, contendo uma tese sobre novas tendências filosóficas/ religiosas/ culturais/ cientificas. Michel Lacroix, debruça-se sobre o New Age.

 

Sabia que Alquimista é um livro típico deste movimento ou que são desenvolvidos conceitos tais como "tantra sky dancing"?

Aos interessados, alguns (muitos) pontos, sobre este estranho, caótico e totalitarista movimento.

 

in LACROIX, Michel, "A Ideologia do New Age", Lisboa, Instituto Piaget, 2000.

 

- surgiu na década de 60 do século XX, na Califórnia (EUA) e em Findhorn (Escócia), numa época de revolução cultural em torno da mística: "retorno ao religioso", mas que não engloba o retorno ao dogmas, "uma das fortes tendências das sociedades do final do século XX" (p. 14);
- o New Age significa muitas vezes Drug Culture. Trata-se de uma contracultura muito suportada pela droga: recorriam a ela para explorar os estados psíquicos e novas realidades; "é o espelho das nossas sociedades, onde a cultura da droga se expande à mesma velocidade que a cultura do eu e do desenvolvimento pessoal" (p. 48);
- é "uma espécie de regime teocrático" (p. 17);
- no final da década de 1980, consegue conquistar "os adeptos com forte poder económico", tais como médicos, professores, ou seja, deixou de ser um movimento marginalizado, tanto que, estuda-se o modo de o aplicar à gestão de empresas;
- o New Age é um movimento que pode fazer despontar outros de cariz violento;
- muitas seitas recorrem aos seus temas e técnicas;
- transformou-se num mercado rentável sob a capa da busca pela transformação pessoal, ou seja, vendem uma ideologia; o livro de Paulo Coelho, "Alquimista", é um livro típico New Age (p.19)
- é um movimento de funde várias áreas e ciências: astrologia ((acreditam na existência de leis fixas que permitem fazer previsões), espiritualidade, meditação transcendental, psicologia, ecologia, a gnose, extraterrestes, etc., etc.,etc.;
- acreditam em Deus, no renascimento, na regressão, na continuidade constante, no ocultismo;
- "para o New Age não é a fé que salva. Nem é a graça divina. É, antes de mais, o saber." (p.56);
- aproxima-se dos "religiosos flutuantes" (dos cristãos descontentes) ao afastar-se do materialismo ainda que mantenham presente o divino. No entanto, afasta-se destes ao não evocar a humildade cristã e ao declarar que não busca a redenção;
- o seu sucesso deve-se à sua dimensão humana (o existencialismo - busca), cultura religiosa, ideologia;

 

 

- noosfera - "aumento da densidade humana, um acotovelamento permanente do homem com os seus semelhantes" (p.29); os "new-agers" defendem o "cérebro global", graças à unificação electrónica (será o "cortex de Gaia" - onde um humano representa um neurónio);
- o tema da unidade traduz-se em holismo - o físico e o mental são uma única realidade;
- Giordano Bruno é considerado "o precursor do terceiro milénio" (p. 32);
- o conceito de Deus altera-se, fundindo-se com o homem; a solidão não existe;
- consideram que o estado  de individuação é "um erro de juízo e da inércia dos nossos hábitos" (p. 43);
- pretendem fomentar o desenvolvimento pessoal através das ciências humanas e da filosofia oriental, uma actualização e libertação do eu, recorrendo também a técnicas de relaxamento e respiração; acreditam deste modo atingir a "consciência modificada";

 

- surgem conceitos tais como "tantra sky dancing" - psicoterapia que associa a sexualidade a espiritualidade;
- apesar da miscelânea de culturas, tem uma visão totalizante do mundo; o conceito de "transformação radical do indivíduo" transforma o New Age num movimento totalitarista dado que obriga/ culmina com a abolição do sujeito/ individual: a abolição do eu;
- ausência de identidade porque ameaça e acaba por renegar a herança cultural em favor da multidisciplina; nega o pressuposto da condição humana, isto é, a sua finitude;
- é uma filosofia direccionada a quem se dedica exclusivamente à sua vida interior, indiferentes ao seu redor - eis o fim do cidadão; estes excessos de cultura do eu leva à desresponsabilização política, à "solipsismo" - o não admitir uma realidade externa a si;
- este totalitarismo leva por sua vez à inexistência de liberdade: término com o pensamento individual; negação do próprio pensamento; destrói a noção de política e de cidadania;
- o New Age opõe-se à noção de lazer e nega a visão ocidental do mundo: está consciente da sua individualidade e da sua finitude (p.100).