Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

Presépio e Naturalismo e os Primitivos Portugueses

O Natal chegou ao MAA com a inauguração e visita guiada à exposição "Esculturas de Género - Presépio e Naturalismo em Portugal" e com visita guiada à inquietante exposição "Primitivos Portugueses - O Século de Nuno Gonçalves".

Enquanto que a primeira, baseada num estudo contínuo (o qual pode ser lido num interessante "B-A-BA-catálogo"), mostrou:

  • que muitas esculturas (por vezes, miniaturas) se baseavam em pinturas ou gravuras;
  • que isoladas dão belíssimas peças;
  • exemplares portugueses copiam exemplares alemães existentes em pormenores de retábulos barrocos alemães (ou o contrário...);
  • que Machado Castro não gostava de fazer "bonecos" delegando-os aos seus seguidores e como tal, não é o nome mais expressivo desta arte - um claro caso em como a fama ultrapassa de todo a obra executada;
  • que finalmente percebi o porquê das figuras terem diferentes tamanhos - daaah: é a culpa de não ver um Presépio montado;
  • que o grotesco coabita com o idealizado nascimento de Cristo: ter o horripilante "Massacre dos Inocentes" com tal detalhe é um exemplo;
  • que o único cortejo com figuras femininas pode ser visto no MNAA - composição retirada e adaptada de uma gravura rque retratava saltimbancos;
  • que o sanfoneiro é uma personagem incontornável num Presépio.

 

 

Já a segunda, "Primitivos Portugueses - O Século de Nuno Gonçalves":

  • lança novas luzes sobre datação de obras e a consequente contextuaização de autores (pintores), tudo graças ao estudo baseado na dendrocronologia;
  • que ainda não existe tabela para o carvalho;
  • que os "raios-x" mostram que muitos pintores eram indecisos ou desenrascados;
  • que tínhamos muito, muito, muito bons pintores e muito, muito, muito maus pintores: há quadros que pela sua extravagância, parecem-me verdadeiros ovnis, com os seus ET's rodeados de Pini-Pons ou que recordam filmes de terror japoneses com os seus paraquedistas anjos, o seu voador Cristo ou o seu esguichador decapitado profeta/ santo - que os eruditos não me oiçam...


Em ambiente propicio para o fluir de imaginação, admito que, com guias como os destas duas visitas, é raro não me divertir num local "sério" como o MNAA, enquanto aprendo qualquer coisita.

 

Dica:

- quando se decidir deslocar a esta imperdivel exposição, dedique largos minutos a observar e digerir esta montagem de 8 paineis.

- entrada gratuíta aos Domingos de manhã.

 

# Proteja as obras. Seja criativo. Não use o flash.

2 comentários

Comentar post