Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

"Acabaram-se os peitos caídos!"

SAM, Anna, "Atribulações de uma Operadora de Caixa - Habilitações: Licenciatura, Função: Operadora de Caixa", Lisboa, Gradiva Pblicações, 2009.

Empregados de caixa ou operadores de caixa?
Depois de lerem este livro, olharão esta profissão com outros olhos.
Cheio de sarcasmo perante os pretensos estudos das instituições, com uma carrada de humor, este seria um livro obrigatório para muita gente que vemos nesses hipermercados país fora.

Trata-se no fundo de respeitar o trabalho dos outros.

Acautelem-se no entanto, pois a tradução é... esquisita: analogias para se aproximarem do nosso quotidiano, adicção ou alteração de títulos e inexistêcias de notas de rodapé que esclareceriam a situação e nos remeteriam ao texto original são praticamente inexistentes.



"Admiro o desembaraço (ou será desprezo?) com que os agentes comerciais da grande distribuição tratam os clientes como crianças perante uma embalagem de bónus com a sua "super oferta" no interior. Mas a julgar pelo sucesso dos cartões fidelidade, parece que afinal os consumidores não perderam a sua alma de criança".

SAM, Anna, "Atribulações de uma Operadora de Caixa - Habilitações: Licenciatura, Função: Operadora de Caixa", Lisboa, Gradiva Pblicações, 2009, p.54.


"(...) Por incrível que pareça, a profissão de operadora de caixa tem uma enorme vantagem para as mulheres! Vai levantar cargas mais ou menos pesadas, fazer rotações de cerca de cento e oitenta graus com os artigos, o que terá como efeito muscular os seus estimados peitorais. (...)"
"Corporação Caixa já o demonstrou: as empregadas de caixa têm um peito mais bonito e firme. Acabaram-se os peitos caídos!"

Idem, p. 63


"Por isso, se ouvir uma mãe dizer ao filho, enquanto aponta para si "Estás a ver, querido, se não te esforçares na escola, vais acabar como esta senhora", não há nada que a impeça de lhe explicar que este emprego não é ridículo, que prefere não estar desempregada e que até foi uma aluna brilhante (Licenciatura e mestrado? Isso tudo?)
Caso contrário não se espante se as criancinhas lhe faltarem ao respeito ou olharem para si como s fosse uma falhada..."

Idem, p. 85-86

 

 

 

Ok. Admito. Não resisti a fazer a analogia de imagem, um pouco parva, eu sei. Mea culpa.