Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

smobile

conceitos sob o ponto de vista do observador

Vila Velha de Ródão, num "comboio com destino à aventura"

 

Inserida numa "visita de estudo" organizada pela Associação Alagamares, no passado dia 4 pude vislumbrar um dos locais portugueses classificados pela UNESCO: as Portas de Ródão.

 

Vila Velha de Ródão (distrito de Castelo Branco) fica plantada nas margens do Tejo e a sua história enquanto local de eleição para habitar, remonta ao paleolítico.

 

No seu Museu Arqueológico (que vai mudar de instalações) podemos comprovar isso mesmo: imensas curiosidades ligadas ao Homem e até anterior a ele podem ser vistas... e tocadas!

 

 

No percurso de uma rápida visita às Portas do Almorão (Foz do Cobrão), mais pequenas é certo, ainda assim bastante escarpadas, são ainda visíveis os trabalhos de extracção de minérios (zona de ouro).

 

Num dos cocurutos das Portas, com uma vista estratégica para todo o vale e arredores, fica o castelo de Wamba - nome que resulta de uma lenda que conta os desamores entre um Rei Visigodo e uma Princesa Moura.


No entanto, este castelo, que mais não passa de uma torre, terá mais a traça de um posto de vigia medieval - como mencionei, daquele local temos uma vista privilegiada.

 

 

 


Em tempos idos, ao longo das serras eram colocados postos semelhantes: a mensagem sofre uma invasão era passada através do sistema de fogueiras: à noite, a luz, de dia o fumo. Por esse Portugal fora, ainda podem ser vistas algumas destas edificações militares.

 

 

Atravessando as portas e já de barco, a vista continua deslumbrante.
 

Nas suas escarpas residem alguns grifos (a sua alimentação encontra-se ao cuidado de elementos da QUERCUS) e uma espécie muito tímida: a cegonha negra, cujos filhotes ao longe têm uma semelhança caricata com pinguins.

 

 

Segundo medições, das Portas em direcção à vila a quota do rio ronda os 10 metros, mas assim que estas são passadas na direcção oposta, a quota ronda os 90 metros de profundidade: supõe-se que naquele local existiria uma cascata.

 

Mas muitos outros e interessantes detalhes foram falados naquele dia por quem sabe. - dos tempos dos Romanos às invasões francesas. Tivemos muita sorte com as pessoas que nos orientaram tanto no Museu como no passeio de barco.

 

 

 

 

 

Info adicional:
- a Associação
- blog da associação
- para condições do passeio: para esta actividade, a CP obriga a um minimo de 4 inscrições.